na minha cabeça... ao redor da massa cinzenta, dentro do meu coraçao, saindo dos meus pulmoes...inundando essas ruas de pedras, as arvores d...

neblina

na minha cabeça... ao redor da massa cinzenta, dentro do meu coraçao, saindo dos meus pulmoes...inundando essas ruas de pedras, as arvores de castanhas, os velhos jardins tumulares.

3 comentários:

  1. Ainda que a neblina exista, eterna e absoluta e que tenha a capacidade de envolver todas as coisas, ainda é possível achar o que se perde dentro dela, eventualmente.

    Seja forte, Tifa.

    ResponderExcluir
  2. ...Ao meu coração a massa cinzenta de solidão já não presente mais está, segue ela rumo ao teu encontro para sentires tu então a cabeça tontear quando o amor cálido e obscuro dele te emaranhar...teus pulmões a sufocar pelo ar cinzento implorará, quando no sussurro da noite sentires que contigo ele já não mais estará, então sem o efeito das brumas que separam os mundos, e tornam ele o que hoje te faz encantar, tu, acompanhada, a solidão mais que nunca te inundará, pois a ausência dele na tua presença demais te doerá, e já então as ruas de pedras claras estarão, mas as árvores de castanha implorarão para morrer à viver nesta solidão e nos jardins tumulares ele enterrará teu coração.... Sic scriptum est, sic erit
    Rose

    ResponderExcluir
  3. Saudades criança, de ti e de como o ambiente muda quando você está nele.

    Jess

    ResponderExcluir