"Ela abriu seus olhos-que-nunca-fecham em um estacionamento de um hospital em meio a grandes blocos de imensas arvores, enquanto lá den...

sussurros nos meus ouvidos - parte I

"Ela abriu seus olhos-que-nunca-fecham em um estacionamento de um hospital em meio a grandes blocos de imensas arvores, enquanto lá dentro, em algum quarto, uma mulher comum dava a luz a uma criança comum.
Yenya entou delicadamente no hospital, e seus pés não tocavam o chão, ela sentia-se apenas Elohim, como os anjos são, apenas resquícios de temor e reverencia, nunca cheios, sempre incompletos. Olhava com aqueles imensos olhos vazios as pessoas que repousavam nas diferentes alas do hospital, e igualmente dirigia o olhar a uma criança bem pequena que conseguia ver uma luz flutuar disforme nos cantos mais escuros do corredor.
Uma senhora que era levada em uma cadeira de rodas para algum outro lugar qualquer, quando viu a luz sorriu e pôs a mão esquerda no peito, como quem toca seu próprio coração doente, meio morto, devastado por amores, criticas e perdas.
Yelenya era solidão, vazio completo, alma incompleta. Não era raro que um anjo, um Elohim, quisesse unir-se a uma criatura viva, encarnada, capaz de sentir aquilo que os anjos nunca seriam capazes, enquanto puros.
Quando entrou no quarto certo, o medico a poucos segundos tinha a criança em seus braços. Ela aproximou-se e abraçou a pequena alma, retirando-a quase por completo de seu pequeno receptáculo. A criança olhava fixamente. Yenya a abraçou, não sentia nada, nem fé nem compaixão, mas abraçou e apertou, ate que se tornaram uma coisa só, uma única luz brilhante, vagamente consciente de ser grande demais para o corpinho a que estava ligada. Então ela foi se abraçando, se apertando, e quando abriu novamente seus olhos-que-nunca-fecham, estava nos braços quentes de uma mãe, que imaginava por que seu bebe não tinha chorado nem uma única vez, aliviada do medo que sentira de te-la perdido, e não entendia como que um recém nascido podia olha-la como se soubesse de todas as coisas.
Yenya fechou seus olhos pela primeira vez."

- essa historia me foi contada no meio do ano 10.

2 comentários:

  1. Tão pesado e tenso esse texto, tifa... =/ fico me perguntando o significado.

    ResponderExcluir
  2. Como ela abria os olhos-que-nunca-fecham antes do final da história? o.O

    ResponderExcluir