Eu recebi um e-mail, muito pessoal que tratava de certa forma essencialmente sobre a minha alma. Eu li como uma critica, e decidi absorver, ...

Sobre a minha ALMA

Eu recebi um e-mail, muito pessoal que tratava de certa forma essencialmente sobre a minha alma. Eu li como uma critica, e decidi absorver, reler e pensar muito a respeito.

Viajei pra montevideo, não tive tempo de pensar nisso na maior parte do tempo, mas encontrava pedaços de mim em cada esquina, e em cada vez que eu olhava admirada para as coisas que eu aprecio como a linguagem daquelas pessoas, a dança, os prédios antigos e as suas ruas feitas para gigantes.

Por fim, olhando o Mar del Plata, feliz por ele ser realmente prateado, eu decidi que nao responderia aquele e-mail, por que ele estava absolutamente errado sobre mim.
Eu nao me perdi. Eu mudei, sim, mas para melhor. Permaneceu em mim a apreciação de tudo aquilo que eu acho belo, na natureza e nas pessoas, e mesmo que eu tenha endurecido meu coração aos poucos, eu não perdi a minha paixão por ver e sentir, tampouco me tornei - como dizia no e-mail - uma pessoa que nao tem doçura, que só dá valor à carne que vai envelhecer e perecer.
Eu amo sim meu corpo, eu cuido dele com prazer, eu gosto de me sentir em paz com minha auto-imagem e não acho isso errado ou negativo.
E não sou alguem que precisa de alguem para ser feliz, eu sei viver e conviver com a solidão - por que ela é presente em mim, mesmo em meio a tantas pessoas - e eu chamo isso de paz.

Enfim, as coisas me causam sofrimento, sao as que me fazem me erguer todos dias, nao que eu sinta felicidade em me sentir triste (!) mas aprendi a buscar apoio em mim mesma nesse momento, mesmo que as vezes eu tema, estar sozinha, como escrevi no post abaixo. Acho isso saudável - ou pelo menos parece um pouco humano de minha parte - e levo isso comigo, como parte de mim.

Aos que sabem criticar as almas alheias, eu recomendo o que me recomendaram: tentar reencontrar-se... num repente você descobre que nem mesmo se perdeu.

5 comentários:

  1. A duvida é a nossa pior inimiga, sempre. Nunca deixe ninguém fazer tu duvidar de ti mesmo, tifa. Porque estar bem consigo mesmo e saber pra onde olhar, mesmo com tantas adversidades, com certeza é um dos caminhos para a paz.

    ResponderExcluir
  2. Adorei isso, Samira. É bom te ler porque dá pra se perguntar se isso que transparece aqui é tu ou é a personagem que se criou com o escrever - consciente ou inconscientemente, sabe-se lá.

    obs: tu disse que não responderia o e-mail, mas respondeu, criança - só foi num lugar talvez menos esperado que na caixa de entrada da pessoa.

    ResponderExcluir
  3. as vezes é bom ter duvidas em relaçao a qualquer coisa..até a ti mesmo.
    de tempos em tempos temos de nos olhar com mais atençao para ver se noa tem nada errado...mas é otimo quando fazemos isso e vemos q estamos melhor doq esperavamos.

    auto observaçao é otimo as veiz

    nada mais pra dize
    :*

    ResponderExcluir
  4. Eu pensei que monstros não tivessem alma, huhu

    ResponderExcluir