Tão pequena, Ventanya, de pés descalços, veio mansamente até onde eu a pudesse ver, e parou. Olhou-me indecisa por um tempo, até que eu saí...

"Nya"

Tão pequena, Ventanya, de pés descalços, veio mansamente até onde eu a pudesse ver, e parou.
Olhou-me indecisa por um tempo, até que eu saí de meu silencio:
- "o que quer, pequena?" - perguntei.
Ela hesitou, tocou nervosa a máscara invisível sobre seu rosto, e com muito esforço, ví que, por baixo da máscara, ela sorria.
-"ah, é claro... sei o que isto significa" - falei devagar. podia senti-la como um pêndulo sobre mim, seu nome refletia o meu espírito.
ela percebeu minhas conclusões, assentiu, e abraçou o próprio corpo, sentia o que eu sentia em mim. Andou até a janela e apontou para fora.
-"eu sei... você quer sair... causará muita destruição lá fora, não sabe?" - eu falava bem devagar a ela, não queria machucá-la - "bem... quem sou eu para mantê-la presa aqui?" - concluí, e ela refletiu por um momento, imóvel como uma estátua.
Eu sentia a dor que ela sentia, a ânsia por libertar-me. A ví abraçar-se ao corpo mais uma vez.
Caminhei até a janela, sentindo nos meus pés também descalços a madeira do piso aquecida pelo sol , e abri a janela de uma só vez. O vento passou por mim e agitou sua camisola de algodão.
Ela sorriu livremente, vi brilhar nela sua enorme força, a minha força, senti calafrios.
Não havia mais máscara em seu rosto.
Aspirei fundo, buscando pelo ar, olhei a sala... vazia..
Agora somos uma só. Foi a minha vez de sorrir.

(Por que em algum momento, você aceita essa força enorme que te movimenta. aceita retirar a pele morta que te encobre, o fim dos papeis, das concepções pragmáticas do dia-a-dia, aceita os limites e a falta deles, e descobre que trancar-se no sótao pode ser poético e até confortável, mas não significa que isto seja TUDO o que você é.
Gosto das pessoas sem medo, sem medo de mim, que quebram essa minha barreira invisível, que mantém todos afastados e trêmulos. gosto dessas pessoas fortes nem saberem o quanto me surpreendem.
O que sou não é tudo o que eu sou, libertei um furacão.)

3 comentários:

  1. Estava com saudade de vocês.
    Você sempre foram uma, não é?

    ResponderExcluir
  2. Eu não tenho medo de você;
    nem nunca tive.

    Talvez senti medo quando soube o que poderia ser feito de mim ao não temer, mas isso nunca me representou uma decisão.

    Eu amo seu casulo, mas amo mais ainda quando você é a tempestade.

    ResponderExcluir