- "bem a tempo de ver o sol morrer mais uma vez" - ele disse calmamente estendendo o braço direito -sabe..... -me aproximei dev...



- "bem a tempo de ver o sol morrer mais uma vez" - ele disse calmamente estendendo o braço direito

-sabe..... -me aproximei devagar nao ignorando o gesto carinhoso - ouvir o som destes sinos me faz extremamente feliz, nao acha incoerente?
- ah parece, ainda mais vindo de voce... na verdade quando te vi neste verao, entrar naquela igreja com aquela menina tao bonita... como é mesmo?
- Veronica...
- ah sim...-ele colocou o indicador sobre uma das temporas - eu realmente fiquei surpreso.
- é, a catedral sempre me atrai, talvez por que fizessem tantos anos que eu nao fosse até lá, ou talvez.. bem.... essas edificações enormes sempre atraem os humanos...
- sim atraem os humanos.... - ele sorriu docemente, e deu-me um beijo na testa
ficamos alguns segundos observando o que era luz mover-se infalivelmente para o fim-da-terra.
- essas coisas sempre fazem a gente sentir-se menor, e é tao bom ser pequeno...talvez seja para isto que existam as montanhas - falei baixinho
- as montanhas simplesmente existem, voce sabe os motivos cientificos.
fiz uma careta
- olhe,... - ele fez uma cara de desdém - sei que nao gosta, mas voce viu e sente dentro de si todas estas coisas, apenas diverte-se, imaginando que o ceu é azul pelos motivo mais estranhos. na verdade nao sei ate quando vai levar adiante essa vida, me parece tudo tao mesquinho de tua parte...- silencio - ah está pegando os jeitos dele agora! fica quieta, a boquinha vermelha ficando menor, diga o que quer dizer!
- nao é mesquinho - resmunguei
- é o que entao? olhe, todos os dias podemos estar aqui e observar o sol ir-se embora com toda a magia disto sem voce sentir que vai morrer se os sinos da igreja nao tocarem!
- é apenas... a vida, compreende? ainda posso aprender coisas... - olhei para ele sabendo que nao disfarçava corretamente minha mentira - voce sabe que posso!
- ah claro, mas pode voltar e aprender tudo mais rapido se deixar acumular!
- mas para que? é tao gostoso.....
- ai deuses, pequena.... nao vai durar muito mais, voce sabe?
- nao importa...ha surpresas nos erros, e muitas outras nas pessoas loucas que se dizem sãs. nao vejo melhor o mundo do que desta forma, eu posso sentir, posso tocar...
o sol foi morrendo, nao lhe restava nada a nao ser a luz azul-alaranjada por traz dos predios, refletindo docemente em algum elo lustroso ao redor do sino na igreja, em um minuto a hora magica da terra começaria, e ela só pensava com um sorriso bobo-feliz que tinha tantas coisas para fazer quando a febre lhe deixasse, coisas infimas, tao banais... cem anos de pensamentos antes do proximo por do sol.

Um comentário:

  1. Levemente semi-adormecida, sento-me nesta pedra fria tecendo alguma teia invisivel que me traga lembanças boas.
    Ainda sinto o resto de sol se indo e penso quantos dias mais ainda vou ver assim, enquanto o mundo se esvai em histeria. Tenho medo de muitas coisas Sami; sempre fui um animal irracional. Tenho medo de não pertencer mais a lugar nenhum.

    Você é um pedaço generoso do meu mundo Sami.
    E eu estarei lá para testemunhar se for preciso.

    ResponderExcluir