Tenho sentido necessidade de fugir a uma regra que silenciosa e convicta eu mesma criei e impus. Como tanta coisa que ainda não decidi, nã...

Recomeço

Tenho sentido necessidade de fugir a uma regra que silenciosa e convicta eu mesma criei e impus. Como tanta coisa que ainda não decidi, não sei exatamente como vou fazer isso, mas estou deixando minhas mãos correrem pelo teclado de acordo com meus pensamentos. Eu preciso de algumas regras, por que se eu não escolher algumas para mim, teria uma liberdade perigosa. Não acho que eu seja incoerente, ou insensata, apenas indomável de espírito. Eu sempre quero mais, mais emoção, mais realizações, esperei incessantemente (e sem nenhum resultado) e isto apenas me prejudicou. Então, regras são necessárias, e já que ninguém as impõe a mim, eu cuido disto sozinha. Nunca deixei de experimentar, isso seria uma atitude retrograda, que não admito, pois acredito que experimentar é o lado pratico do conhecimento, necessário à evolução. Este ano tem sido uma abstinência completa de emoções favoráveis a mim, realmente decepcionante, e minha vida completou um circulo, de tal forma que exige de mim decisões bem rápidas. Descobri que em 2007 fiz tudo o que desejei, e neste ano de 2008, procurei fazer as pessoas serem felizes, procurei ser simpática e conversar, tentei ser uma boa pessoa, comprometida e ideal... E não houve recompensas das pessoas, (foram frias e agressivas, cegas ao que eu plantei) e também não houve recompensas pessoais, simplesmente por que me abstive de meus planos e desejos em nome daquilo que as pessoas consideram certo e ajuizado. Não sei se isso vai me trazer certo sucesso no próximo ano, talvez sim, mas o fato é que neste presente momento eu estou simplesmente infeliz.

Como qualquer criatura, não gosto de estar infeliz.

E não importa mais o que eu sou, o que importa é quem eu sou para mim mesma AGORA, para os meus princípios, meus desejos, meus planos. A vida obriga as pessoas a serem mais egoístas, nossos pais nos ensinam isto imperceptivelmente, e o resto das pessoas... O que são alem de outros seres humanos, cheios de defeitos e desejos de se construir?

Talvez, a tão poucos dias do fim do ano (que pelo jeito serve apenas para as pessoas terem esperança de mudar as coisas, que seria do mundo sem o fim de mais 12 meses?) ainda dê tempo para eu reconstruir o tempo, e mudar tudo antes que ele acabe. Se não, COMEÇAR ao menos, a mudá-lo.

Aqui, a regra que escrevi no começo foi quebrada, libertei-me de um estilo de escrever ao qual eu tinha me acostumado há tanto tempo. E isto bem que pode ser o MEU recomeço.

0 estranhos olhares: