Quem escreve é uma descendente dos celtas, menina filha da lua, sempre apaixonada e inconstante. Escrevo por minha mão de bárbara, de outra...

Para as Heróides Mulheres de ovidio

Quem escreve é uma descendente dos celtas, menina filha da lua, sempre apaixonada e inconstante. Escrevo por minha mão de bárbara, de outra parte do mundo, muito longe da Grécia, mas as águas que banham o litoral desta terra é a mesma que outrora conheceu as muitas de suas lágrimas e seu desespero, e é por isto que escrevo.
Posso ocultar meus maus pensamentos, penso em tudo, penso no que eu sou, no que desejo, devaneio. Minha alma, se fecha assim dentro de mim... Posso oculta-la muito bem.
Caras senhoras, mesmo assim, desespero encontrou leito macio e perfumado, dentro de minha alma jovem, pois o pequeno de Vênus brinca com meus sonhos, desde entao tornei-me alvo fácil de suas setas, e isto me tira a paz.
Juro por minhas mãos pálidas que o mau não se pronuncia fora de meus pensamentos. Como a enganada Psifae e Enone, a ninfa das florestas, sou vitima das brincadeiras de Vênus e seu pequeno, mas resisto bravamente, e ate hoje ficam apenas em ideias. Temo uma desgraça, pois ela, vingativa e obsediosa pode mudar o fluxo das aguas, mudar com elas o meu amado ou mesmo o meu proprio coração.
Com vocês aprendi a sintese da alma do homem, belicosa de eternidades, que as deixaram em sua maioria, abandonadas, a arrancarem os cabelos e rasgarem o peito com suas unhas, à propria sorte do mundo, das ilhas desertas e de suas almas cheias de dor. Como voces..acredito desconfiando, suas historias transmitidas por Ovidio é seu cuidado para com as mulheres que viriam ao mundo, sempre destinadas a amar.
Meu coração tem sido o céu, ora nebuloso e tempestuoso, ora limpo e fresco, mesmo que atormentado como se encontra. Tenho medo e medo não é coisa certa ou justa no espirito da mulher, medo como algumas de voces sentiram, medo de que ela transforme meu coração... medo de sofrer por mim mesma, de mudar-me ou de encantar-me. Esse é o medo que me torna mais humana, e portanto, mais mortal.
Espero pelas respostas nunca dadas a voces, que virao de mim mesma, muito brevemente.

Um comentário:

  1. Nada mal para uma celta. Aceitaria com prazer na minha aldeia, com direito ao ritual do deus Sucellus, muito vinho e fertilidade!

    ResponderExcluir